Palavras Cantadas - Blog clinTH

Pagina: ‘Palavras Cantadas’

Milágrimas

Literalmente uma palavra cantada. Essa música é um poema da escritora Alice Ruiz.

Música: Itamar Assumpção
Letra: Alice Ruiz

Em caso de dor ponha gelo
Mude o corte de cabelo
Mude como modelo
Vá ao cinema dê um sorriso
Ainda que amarelo, esqueça seu cotovelo
Se amargo foi já ter sido
Troque já esse vestido
Troque o padrão do tecido
Saia do sério deixe os critérios
Siga todos os sentidos
Faça fazer sentido
A cada mil lágrimas sai um milagre

Caso de tristeza vire a mesa
Coma só a sobremesa coma somente a cereja
Jogue para cima faça cena
Cante as rimas de um poema
Sofra penas viva apenas
Sendo só fissura ou loucura
Quem sabe casando cura
Ninguém sabe o que procura
Faça uma novena reze um terço
Caia fora do contexto invente seu endereço
A cada mil lágrimas sai um milagre

Mas se apesar de banal
Chorar for inevitável
Sinta o gosto do sal do sal do sal
Sinta o gosto do sal
Gota a gota, uma a uma
Duas três dez cem mil lágrimas sinta o milagre
A cada mil lágrimas sai um milagre

Mantra – Krishna Das – Baba Hanuman

Um dos mais belos mantras, daqueles que acendem e despertam nossa alma.

Tudo que você precisa é amor

Ninguém é de ferro. O amor também não. Diante dele, nos encontramos diante de nós: seres de carne, osso e muito mais. Muito mais do que carne: consciência. Muito mais do que osso: resiliência. O amor é muito mais do que coração. Muito mais do que menos, pois quando nos reduzimos, enferrujamo-nos. Muito mais do que mais, pois quando nos exageramos, homens de ferro é o que vemos através de nosso espelho quebrado. E ninguém é de ferro. O amor também não. Somos de carne, osso e pulsação.

Por Karla Jacobina

The Rose – Janis Joplin

A Rosa

Algo diz amor, é um rio
Que deita a relva suavemente
Algo diz amor, é uma lâmina
Que deixa sua alma sangrando
Algo diz amor, é uma fome
Uma necessidade de dor sem fim
Eu digo amor é uma flor
E você é a apenas a semente

É o coração com medo de quebrar
Que nunca aprende a dançar
É o sonho com medo de acordar
E nunca teve a chance
É o primeiro que não pode ser pego
O que não pode ser mostrado
E a alma com medo de afundar
Que nunca, aprende a viver

Quando a noite aconteceu, vindo sozinha
E a estrada tinha sido muito longa
Que você pensou que o amor era apenas
Para os sortudos e os fortes
Apenas lembre do inverno passado,
Que embaixo da neve triste
Dorme a semente que o sol ama
E na primavera ela se transforma em rosa.

Felicidade – Marcelo Jeneci

Haverá um dia em que você não haverá de ser feliz.
Sem tirar o ar, sem se mexer, sem desejar como antes sempre quis.
Você vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser.
Quando chover, deixar molhar pra receber o sol quando voltar.
Lembrará os dias que você deixou passar sem ver a luz.
Se chorar, chorar é vão porque os dias vão pra nunca mais.

Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você.
Chorar, sorrir também e depois dançar, na chuva quando a chuva vem.
Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você.
Chorar, sorrir também e dançar.
Dançar na chuva quando a chuva vem.

Tem vez que as coisas pesam mais do que a gente acha que pode aguentar.
Nessa hora fique firme, pois tudo isso logo vai passar.
Você vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser.
Quando chover, deixar molhar pra receber o sol quando voltar.

Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você.
Chorar, sorrir também e depois dançar, na chuva quando a chuva vem.
Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você.
Chorar, sorrir também e dançar.
Dançar na chuva quando a chuva vem.

Composição : Marcelo Jeneci/ Chico César

A Força que nunca seca – Chico César

Já se pode ver ao longe
A senhora com a lata na cabeça
Equilibrando a lata vesga
Mais do que o corpo dita
Que faz o equilíbrio cego
A lata não mostra
O corpo que entorta
Pra lata ficar reta
Pra cada braço uma força
De força não geme uma nota
A lata só cerca, não leva
A água na estrada morta
E a força que nunca seca
Pra água que é tão pouca

Gente Aberta – Erasmo Carlos

.
Eu não quero mais conversa
Com quem não tem amor
Gente certa é gente aberta
Se o amor me chamar
Eu vou

Pode ser muito bonito
O mar, o sol e a flor
Mas se não abrir comigo
Não vou, não vou

As pessoas que caminham
Seja lá pra onde for
É uma gente que é tão minha
Que eu vou, que eu vou

Quem não tem nada com isso
Veio a vida e não amou
Gente certa é gente aberta
Se o amor me chamar
Eu vou, eu vou, eu vou…

Paciência – Chicas

Composição: Lenine e Dudu Falcão/ Interpretação: Chicas

“A vida é tão rara”

É a frase que mais se repete na música, e uma das lembranças que mais nos falta em dias corridos, em dias pesados. E tudo se torna ainda mais pesado se continuamos correndo: os jeolhos pesam, as costas pesam, os ombros parecem bigornas, ao passo que, a disposição e a alegria correm a léguas de nós.

Então, é lançada no vento a seguinte pergunta:

“Será que temos esse tempo para perder?”

Será que temos tempo para perder com pressa? Quem aproveita melhor a viagem: o catavento que se solta haste, ou a gota d’água que penetra, grão por grão, a terra do jardim?

“Enquanto o tempo acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora vou na valsa

Convido a todos para ouvirem a canção e deixarmos que a paciência tire nossa ansiedade para dançar uma linda valsa.


Segue o teu destino – Nana Caymmi

Letra: Ricardo Reis heterônimo de Fernando Pessoa
Música: Sueli Costa
Intérprete: Nana Caymmi

Metade dessa música é poema e a outra é emoção. Maravilhosa não é só a interpretação de Nana Caymmi, nem somente a composição de Fernando Pessoa. O terceiro e indispensável ingrediente é você, sua atenção e sua inspiração que une, que dá liga para que todos esses elementos juntos, se tornem um espetáculo único.

Abra os ouvidos, a inspiração e siga o seu destino.

Mistério do Planeta

Música do grupo Novos Baianos, formado por Pepeu Gomes, Baby Consuelo e Moraes Moreira, entre outros, Mistério do Planeta foi gravada  no início dos anos 70, e chegou inclusive, a fazer parte do filme lançado pela banda em 1973, o “Novos Baianos Futebol Clube”. Mais recentemente recebeu uma nova versão na voz de Marisa Monte em companhia de alguns dos membros da formação original do Novos Baianos.

A letra canta sobre um jeito de estar no mundo, dando e recebendo a partir da “lei natural dos encontros”. Este que se lança no mundo, disposto a novos encontros e experiências de troca e compartilhamento, não anda só, sempre vai acompanhado de mais de um. Este é o mistério do planeta: este homem nômade por essência, sempre envolto em algum tipo de busca, de vontade de conquistar e sempre ávido pelo contato com o outro.

Ouça e aprecie a letra de Mistério do Planeta!

Leia Mais »





Comente sobre o Blog Clinth

Nome (*)

E-mail (*)

Tema

Mensagem

  (*) Obrigatório

ext